A chegada de: Analua!

Se eu for escrever aqui toda a história sobre como conheci este casal acho que fico escrevendo por um bom tempo, mas em resumo boa parte técnica do meu trabalho depende desse cara.

A Carina e o Gustavo Wanderley que também é fotógrafo estava passando pelo mesmo que eu e a Mari estamos passando, grávidos, e na semana passada foi o dia da Analua chegar ao mundo. Como alguns já sabem de uma prática bem deselegante nas maternidades, apenas empresas cadastradas podem participar do parto, não vou comentar sobre isso por aqui pois acho que da um artigo e não é este o foco, enfim…. já tinha uma ideia do que queria fotografar, os bastidores de “a chegada…” (um projeto que já existe clique aqui para ver mais.), nada mais é que um pouquinho sobre o que foi este dia, “A chegada de: Analua!” não só a chegada ao mundo mas até seu lar…

Após um tempo de muita ansiedade para os familiares a Analua chegou, e um fato me chamou atenção ainda no berçário: um pai que estava ao lado do Gus, tentando acalmar o choro de um recém-nascido fiquei observando e lembrei de um texto que gostaria de compartilhar, e por fim fiquem com as fotos…

 

Querida Mamãe,

 

          Esta noite acordei estranhando o silêncio. Não havia barulho algum e pensei que o mundo tinha até acabado e você esquecido de mim. Coloquei a boca no trombone e você apareceu. Ainda bem. Fiquei tão feliz no calor do seu peito que acabei pegando no sono antes de mamar tudo o que precisava. Quando percebi que você ia me colocar no berço, chorei de novo. Mas não tente negar, você estava com pressa para ir dormir outra vez.Você me deu de mamar novamente, assim, meio apressadinha e depois resolveu trocar a minha fralda. Estava tudo calmo, um silêncio, nós dois juntinhos, tão legal que eu perdi o sono. Você até que foi compreensiva, mas começou a bocejar um pouco e resolveu me fazer dormir. Eu não queria dormir. Talvez precisasse de mais dez minutos ou meia hora, mas você estava mesmo decidida a dormir. Foi ficando bem nervosa e até chamou o papai. Eu não queria o papai e todos fomos ficando muito irritados.
No final das contas, acordei a casa inteira cinco vezes. Pela manhã, nossa família estava com cara de quem saiu do baile. Acho que estraguei tudo. Imagina, você que chegou a dizer para o papai que eu estou com problema de sono. Eu não! Você é que vem me dar de mamar com pressa e daí eu sinto que você não quer ficar mais comigo.
Os adultos têm hora certa para tudo, mas eu ainda não entendi essas coisas de relógio e tarefas estafantes que vocês precisam fazer. Quando meu corpo está com o seu, quero ficar do seu lado sem me separar nunquinha. Do alto dos meus 3 meses, ainda não descobri direito que você é uma pessoa e eu sou outra. Um dia eu vou sair por aí, vou telefonar e posso deixá-la doida para saber o que anda fazendo e, então, você vai entender como me sinto agora. Mas não precisamos dessa guerra, mamãe.
Até lá, já podemos nos entender, inclusive através das palavras. Sinto a agústia da separação, pois acabei de passar por essa experiência. Você também, mas vive tudo isso como uma adulra consciente. Eu ainda estou vivendo no inconsciente. Eu não sei andam tudo é tão novo pra mim aqui fora. Mas eu tenho absoluta certeza de que vou aprender tudinho o que você me ensinar através dos seus sentimentos em relação a mim.
Mamãe, você quer um conselho de bebê? Quando eu chorar à noite, não salte logo para o meu quarto desesperada, como se o mundo fosse acabar.
Espere um pouco, respire profundamente, ouça o meu choro até que ele atinja o seu coração. Sinta seu tempo, realmente acorde e venha me pegar. Me abrace devagar, não acenda a luz, fale bem baixinho e me dê o seu peito para eu mamar. Depois que eu arrotar, mais um pouco só de paciência, pois, nós bebês, somos sensíveis aos sentimentos dos adultos. Se eu sentir que você está com pressa, sou capaz de armar o maior barraco, mas se você esperar até o meu segundo suspiro, quando meus olhos ficam bem fechados, minhas mãos e pernas bem molenguinhas, aí sim você pode me colocar no berço que eu não acordo antes de sentir fome outra vez. À medida que você desenvolver sua paciência, mamãe, eu estarei desenvolvendo minha tranquilidade e nós não teremos mais noites desagradáveis. Apenas noites de mamãe e bebê, que um dia passam, como tudo na vida.
Livro: Bebês de Mamães Mais que Perfeitas – por Claudia Rodrigues

 

D60_1134

D60_1171

D60_1182

D60_1200

D60_1278

D60_1279

D60_1280

D60_1281

D60_1282

D60_1283

D60_1430

D60_1438

D60_1439

D60_1534

D60_1535

D60_1542_2

D60_1543

D60_1649

D60_1693

D60_2272

D60_2273

D60_2295

D60_2296

D60_2319

D60_2351

contato@justenjr.com | Al. Augusto Stelfeld, 1550 – Curitiba PR | 41 88989291